terça-feira, 31 de março de 2015

CRÔNICA DO JOE: Esta foto é LINDA, mas (...) a nossa vida é muito frágil, pois vivemos de morte e morremos de vida.

Fausto e sua filha

Sábado eu fui para uma danceteria aqui em Neuestadt , bairro boêmio de Dresden. Era 4h da madrugada quando resolvi voltar para casa..eu estava bêbado e o trem demoraria mais de meia hora pra chegar..Eu resolvi caminhar..Não dá pra ficar parado no frio. No meio do caminho, fui informado que o Fausto Halmenschlager teve MORTE CEREBRAL. Eu comecei a chorar compulsivamente, pois a minha memória involuntária recuou no tempo e em menos de um segundo me lembrei da MORTE DO AYRTON SENNA que também morreu de MORTE CEREBRAL fruto daquela pancada a queima roupa no muro da morte. Chorei muito no frio...eu estava bêbado de lucidez...Quando o Straßenbahn (trem de rua) chegou, eu estava a duas quadras de casa..Entrei no trem chorando..ninguém entendeu nada...4h30 da manhã alguém entrando no trem chorando e descendo dois pontos depois...No domingo as 15h, fui almoçar com minha amiga Christine num restaurante e fui informado que o Fausto reagiu e os médicos esperariam mais reações para decidir entre operar ou não..Eu sorri e fiz sinal de positivo..A minha amiga alemã perguntou-me: Porque você vibrou? Porque meu amigo na UTI deu sinal de vida...Tristeza Gigante num buraco do tamanho de Deus se instala na minha alma, pois convivi com o Fausto da quarta -série do primário até a oitava série quando cada um seguiu sua vida (alguns indo estudar em outras cidades...como foi o meu caso que migrei para Itaituba, depois Manaus..depois....)..Me lembro do Fausto ainda criancinha de CONGA, de bermudinha vestido com a camisa do Colégio Eurico Valle...O Nelinho ia para escola de QUICHUTE..KICHUTE...O Fausto branquelão ficava nervoso e vermelho igual um pimentão quando o Nelinho brigava com ele nas peladas. Fausto ficava possesso por ferocidade pueril. O Gaguinho era o nosso professor de Educação física... era rígido...Eunice era nossa professora de matemática..Lecionou para nós da quarta até a oitava série..Fausto e todos os demais bagunçavam muito na aula do Gilvan (O Botinha) ..estudos paraenses...O Nelinho abria a boca e todos nós ríamos..nem o professor agüentava e ia na folia...É muito doloroso quando olhamos para trás e percebemos que algumas (ou várias) pessoas queridas partiram para outra dimensão da existência. Com apenas 36 anos de idade, vou contando..Fulano tombou no meio do caminho...ciclano também já tombou..beltrano já bateu as botas..(...).. Este que vos escreve no facebook diariamente, também baterá as botas e tombará no meio do caminho... Quando? Só o chip de Deus sabe... Todos nós tombaremos, pois a morte é o nosso destino, pois vivemos de morte e morremos de vida..Somos uma minoria provisória, pois há muuuuito mais mortos do que vivos..Terrível para uma mãe é ser obrigada enterrar um filho ainda jovem e cheio de energia...A vida é bondosa para uns (filhos enterrando pai e mãe na velhice fruto de morte morrida), mas a vida é muito cruel com outros ceifando a vida antes do conclusão do clico normal. Filhos enterrando a mãe dói muuuuito menos, mesmo que a mãe morra antes do tempo (num acidente, por exemplo), mas mãe enterrando filhos é um Porrada super violenta no Joelho da Alma...Uma dor incurável, uma cratera super dolorosa IRREVERSÍVEL para a memória de uma mãe...
Difícil também será para a garotinha (filhinha) que era muito apegada aos chamegos do Pai (Fausto)....A criança sente, sofre, mas fica na expectativa de que o pai retornará todos os dias...E o pai não retorna ..não retorna nunca...aí a ansiedade da criança é intensificada à inenarrável potência de aflição pueril na dimensão da inocência...Aí quando falam para as crianças que o papai ou a mamãe foram para o céu, as crianças ficam loucas para ir para o céu imediatamente...Falamos sobre o céu, paraíso, mas esbarramos na impotência, pois não conseguimos colocar as crianças em alguma nave que conduzam-as ao céu restaurador..ao céu dos encontros em meio aos desencontros...A criança sofre na expectativa exercendo a imaginação escatológica de cada dia...Adultos sofrem de imaginação...crianças também...
Aos parentes e amigos de Fausto, recebam o meu doloroso silêncio acolhedor.
Joe
Sobre a jovialidade e o legado de Fausto, deixo convosco estas lindas palavras escritas pelo saudoso escritor argentino Jorge Luis Borges.
“[...] Acredito na imortalidade: não na imortalidade pessoal, mas na cósmica. Continuaremos sendo imortais, para além da nossa morte física fica nossa memória, e para além da nossa memória ficam nossos atos; nossos feitos, nossas atitudes, toda essa maravilhosa parte da história universal, mesmo que não o saibamos, é melhor que não saibamos”.
Jorge Luis Borges. Borges oral & sete noites. Tradução: Heloísa Jahn. São Paulo: Companhia Das Letras, 2008, página 35 (LITERATURA ARGENTINA)
 Joevan Caitano, vi o texto acima no seu face, gostei do modo que você escreveu, misturando a brincadeira com a seriedade. Como você é um cara extrovertido, sempre escrevendo com ironia ou não se preocupando muito com as palavras usadas, fiquei admirado ao ler e ver o quanto de seriedade estava contido naquelas linhas, que me deu o prazer de ler até o final. Parabéns Joe, tenho certeza que a família de Fausto apreciará a sua homenagem, por isso estamos postando em nosso humilde blog. Joe é ex-morador de Rurópolis, e hoje mora e estuda em Dresden na Alemanha.


POLICIA MILITAR EM CAMPO

Fábio Henrique de Moraes Nascimento - LADRÃO

LADRÃO

Por volta das 10h30min do dia 28 do corrente mês, o senhor Luciano dos Santos, proprietário de uma moto tipo POP que havia sido furtada, comunicou o ocorrido ao Cabo PM Alves o referido furto. Após buscas pelas ruas da cidade, o Cabo Alves avistou dois menores pilotando uma motocicleta parecida com a da vítima. Chamou o proprietário da moto e após reconhecimento, o militar chamou a GU de serviço, comandado pelo Cabo Dias, que apreendeu o veículo e encaminhou para o quartel e posteriormente apresentar na DEPOL e também apreendeu os menores e apresentou no Conselho Tutelar a conselheira Adelinda, para as providencias cabíveis. A motocicleta é uma POP 100, cor preta, ano 2014, chassi 9C2HB0210ER416828, que estava em poder dos menores D C P de 17 anos e A J P de 14 anos. No dia 31 do corrente mês, por volta das 01h10min, a GU da Policia Militar, comandada pelo Cabo Tapajós, acompanhado dos soldados Marreito e Serra, localizaram o indivíduo de nome FABIO HENRIQUE DE MORAES NASCIMENTO, acusado de diversos furtos e roubos na cidade. Com o indivíduo foi encontrado alguns produtos de furtos realizados na tarde de ontem. O indivíduo foi preso e entregue na DEPOL para as devidas providencias. 
Informações e fotografias: 17ª CIPM
 

segunda-feira, 30 de março de 2015

FILHA PROCURA O PAI QUE NÃO VÊ A MAIS DE 28 ANOS

FELIPE CARVALHO PEREIRA
MARLENE LIMA PEREIRA


MARLENE LIMA PEREIRA, nascida em 30 de outubro de 1979, na cidade de Itaituba, Estado do Pará, hoje residindo na cidade de Boa Vista, nos Estado do Roraima, entrou em contato conosco através de WhatsApp, pedindo que nos ajudássemos a encontrar seu pai que não vê a mais de vinte e oito anos e que segundo informações ele reside aqui nesta cidade de Rurópolis e o grande sonho dela é voltar a encontrá-lo. 
Ferlipe Carvalho Pereira e sua esposa na época
O nome de seu pai é FELIPE CARVALHO PEREIRA, e ela diz que ele é branco, olhos castanhos bem claros, estatura baixa, cabelos grisalhos bem claros. Disse ainda que ele mora aqui em Rurópolis, só não sabe dizer se é na área urbana ou rural. Quando ele deixou a família, ela tinha sete anos de idade e eram em um total de seis filhos, quatro rapazes e duas mulheres. Quem conhecer o senhor FELIPE CAMARGO PEREIRA, ou souber do seu paradeiro, favor entrar em contato com sua filha através dos telefones: (095) 99111 8043 / (095) 99142 5382 e (095) 99169 5722 ou então conosco através do celular (093) 99194 8961 e/ou pelo fixo (93) 3543 1565.

O PÁROCO PADRE JEAN PAUL CONVIDA OS CATÓLICOS A PARTICIPAREM DA PROGRAMAÇÃO DA SEMANA SANTA


SEMTRAS HOMENAGEIA ANIVERSARIANTES DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2015.

Aniversariantes com os organizadores e voluntários

Senhora Glauciene Genuíno com os aniversariantes


A Secretaria Municipal de Assistência Social esteve reunida na sexta-feira (27/03/2015) para comemorar os aniversários dos integrantes do grupo da terceira idade os JOVENS SEMPRE RENOVADOS. Na abertura do evento, houve a chamada de todos os integrantes do Grupo, equipe da assistência, autoridades presentes e demais convidados, para compor a mesa. Secretários, vereadores e várias outras autoridades se fizeram presente, abrilhantando assim um momento tão especial. Os aniversariantes do mês de janeiro foram: ADELINA PEREIRA, ANTONIA BATISTA COSTA, JOSE ALVES BEZERRA, JOSE DE RIBAMAR TEIXEIRA, VANDA VIEIRA DE ALENCAR, MARIA FRANÇA SILVA e SEBASTIANA SOUSA COUTINHO;
Só os aniversariantes
aniversariantes do mês de fevereiro: ALFREDO SIQUEIRA CAMPOS, HONORINA PELEGRINI DO CARMO, NOMELIA ATTMAM, NOELIA PERES OLIVEIRA MAGALHAES, FRANCISCA DAS CHAGAS DE JESUS, RAIMUNDO ROCHA BRAGA e ANTONIO QUINTINO PEREIRA; aniversariantes do mês de março: AZILON FERREIRA DE ANDRADE, MARIA LANA DE NORONHA SANTOS, DALVA MARIA BARRETOS, ILZA BATISTA DA SILVA, ISABEL GRANJA DIAS, LACI CECILIA SOST, MARIA DAS GRAÇAS DE SOUSA DOS SANTOS, NORMA MULLER, DAMIAO RAIMUNDO, ALZIRA DA SILVA COSTA e VALDEMAR ANTONIO PEREIRA. 
Autoridades que comporam a mesa
A organização agradeceu ao apoio incondicional que o Prefeito Pablo Genuíno tem prestado ao grupo “JOVEM SEMPRE RENOVADO”, assim como todo o trabalho social desenvolvido por esta Secretaria. Também oi lembrado com bastante ênfase, a dedicação que a senhora GLAUCIENE GENUÍNO tem com esse grupo e o trabalho voluntário que desenvolve na Secretaria de Assistência, promovendo ações de fortalecimento dos vínculos familiares de toda comunidade Ruropolense. Foi lembrado e exaltado, o excelente trabalho desenvolvido pela EQUIPE TECNICA DO CRAS:
Hora do 0800
EVERALDA CHAGAS DE MOURA – Coordenadora, Doutor MIGUEL PEREIRA NETO (Assistente Social), Doutora MARIA NAZARET (Assistente Social), Doutora DARLÂNDIA PONTES (Psicóloga) e Professora RITA DE SANTANA (Pedagoga). Foi lembrada também a Equipe responsável diretamente pelo grupo             JOVENS SEMPRE RENOVADOS: Senhora MARCIA (Coordenadora), Professor JOAO CARLOS (Educador físico), Professora MARICELIA (Facilitadora de dança), Professora LUIZA (Oficineira e Pedagoga) e não esqueceram também de agradecer profundamente a equipe de apoio: JOCIEL, IRACY, EDIANE, LEONICE, RAQUEL, PEDRO BORGES e ANTONIA ROSA. Foram cantados os parabéns a todos os aniversariantes, e todos ficaram em pé, para homenagear essas pessoas que tem grande importância para toda a sociedade, pois suas vivencias e saberes são fundamentais para desenvolvimento de uma sociedade justa e igualitária. Após as homenagens, através das autoridades, ainda foram entregues presentes a todos os aniversariantes e para encerrar com chave de ouro foi oferecido um coquetel a todos os presentes e posteriormente houve a festa dançante onde todos se divertiram até altas horas.
Informações: Assessoria do evento e fotografias: Júnior.com 
 





REAL MADRUGA PERDE A INVENCIBILIDADE E TÉCNICO KAFURINGA DIZ QUE VAI DEMITIR NUTRICIONISTA E PREPARADOR FÍSICO DA EQUIPE.

Técnico Kafuringa irritado com seus atletas, preparando ele mesmo as Rãs.

Técnico Kafurinda preocupado com o próximo adversário

Na noite do último sábado, a equipe mais atraente do da Copa Futsal, o Real Madruga, sofreu sua primeira derrota na competição, por um placar bem elevado: 7x3, para a equipe da Força Jovem. O proprietário, massagista, roupeiro, treinador, técnico, jogador, gandula e psicólogo da equipe André Scalabrin, mais conhecido no mundo esportivo pela alcunha de “Kafuringa”, não ficou nada satisfeito e foi logo culpando a nutricionista e o preparador físico, já que a sua equipe não rendeu o esperado, sofrendo uma derrota vergonhosa. 
As esposas dos atletas ajudando no cardápio
Kafurinda falou a nossa reportagem que não reconheceu seus atletas em campo. Todos apáticos, cansados e pareciam desinteressados na partida e por isso caíram do sapato alto. Não satisfeito com o resultado Kafuringa reuniu seus atletas em sua residência e fez uma reunião séria com os mesmo, exigindo mais seriedade e cuidado com o corpo, para que pudessem chegar bem nos próximos compromissos. Após a reunião, foi servido um almoço bem exótico, onde o prato principal foi
Conversação com o gerente do BASA afim de patrocínio (nova remessa de Rã)
Segundo o treinador Cafuringa, o almoço foi para levantar a auto-estima da equipe. Completou ainda: “A rã é um animal que tem a carne saborosa e por ser um animal esperto e com longos saltos, vai deixar os atletas revitalizados, com mais energia e preparados para a reta final do campeonato”. Acrescentou ainda: “Essa iguaria, foi feita especialmente para o nosso goleiro, para que o mesmo tenha mais elasticidade e reflexo, como também para o nosso atleta Diton e Clodoaldo, para dar mais “leveza” aos dois”. Se der certo a o “investimento” do técnico Kafuringa, é bom ele repassar a receita para vários “atletas” que estão necessitando urgente de ajuda: Valdinor, Velho Pará, Rômulo, Robertinho, Junior Pizzatto, etc, etc, etc... VEJA MAIS FOTOS CLICANDO ABAIXO
Texto Manuel Cleudes e Fotografias H. Marinho Júnior. 




TÔ NO TRABALHO – BAR E LANCHONETE, O NOVO POINT DA CIDADE

Aline, Edivan e Eliane - A Diretoria


Mais uma opção de lazer se abre em nossa cidade.  TÔ NO TRABALHO – BAR E LANCHONETE é o novo point da rapaziada. Sob o comando da nossa amiga Eliane Winck o bar e lanchonete TÔ NO TRABALHO, está localizado na Avenida 12 de Fevereiro, esquina com a Rua Governador Mário Covas, antigo “Butequim”. Ontem a proprietária, juntamente com seus comandados, reuniu os amigos e ofereceu uma suculenta feijoada, regada a muita cerveja gelada. Para animar a galera, estava o grupo de renome “interioral” “ESPANTA CÃO”, que fez a alegria dos presentes, em particular do nosso amigo Velho Pará, que chorou emocionado, ao ver de perto seu ídolo Valdinor cantando as músicas de seu repertório recém atualizado. A amiga Eliane agradece a todos os presentes e promete que essa foi apensa a primeira, haverá muitas mais promoções e animação no BAR E LANCHONETE TÔ NO TRABALHO. VEJA MAIS FOTOS CLICANDO ABAIXO.
Fotografias de H. Marinho Júnior




domingo, 29 de março de 2015

FIÉS PARTICIPAM DA PROCISSÃO DE DOMINGO DE RAMOS.

Saída da procissão da Igreja da Santíssima Trindade


Chegada na Igreja de Nossa Senhora Aparecida

Neste domingo, a Igreja da Santíssima Trindade, através de seus fiéis, caminharam em procissão até a Igreja da Comunidade Nossa Senhora Aparecida, onde foi realizada a celebração do Domingo de Ramos. A missa foi celebrada pelo Pároco Padre Jean Paul, ajudada pelo Padre João. Muitos fiéis acompanharam a procissão, que teve seu início em frente à Igreja Matriz e terminou na Igreja de Nossa Senhora Aparecida, no Bairro Bela Vista. Uma caminhada bem longa e de vários quilômetros, mas que valeu a pena. Mas, o que é realmente o DOMINGO DE RAMOS? O Domingo de Ramos abre por excelência a Semana Santa.
Padre João e Padre Jean Paul a frente dos fiéis
 Relembramos e celebramos a entrada triunfal de Jesus Cristo em Jerusalém, poucos dias antes de sofrer a Paixão, Morte e Ressurreição. Este domingo é chamado assim porque o povo cortou ramos de árvores, ramagens e folhas de palmeiras para cobrir o chão onde Jesus passava montado num jumento. Com folhas de palmeiras nas mãos, o povo o aclamava "Rei dos Judeus", "Hosana ao Filho de Davi", "Salve o Messias"... E assim, Jesus entra triunfante em Jerusalém despertando nos sacerdotes e mestres da lei muita inveja, desconfiança, medo de perder o poder. Começa então uma trama para condenar Jesus à morte e morte de cruz.  
Os Padre João e Jean Paul celebrando a missa de Domingo de Ramos
O povo o aclama cheio de alegria e esperança, pois 

Jesus como o profeta de Nazaré da Galiléia, o Messias, o Libertador, certamente para eles, iria libertá-los da escravidão política e econômica imposta cruelmente pelos romanos naquela época e, religiosa que massacrava a todos com rigores excessivos e absurdos Mas, essa mesma multidão, poucos dias depois, manipulada pelas autoridades religiosas, o acusaria de impostor, de blasfemador, de falso messias. E incitada pelos sacerdotes e mestres da lei, exigiria de Pôncio Pilatos, governador romano da província, que o condenasse à morte.
Fiéis participando da celebração
Por isso, na celebração do Domingo de Ramos, proclamamos dois evangelhos: o primeiro, que narra à entrada festiva de Jesus em Jerusalém fortemente aclamado pelo povo; depois o Evangelho da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, onde são relatados os acontecimentos do julgamento de Cristo. Julgamento injusto com testemunhas compradas e com o firme propósito de condená-lo à morte. Antes, porém, da sua condenação, Jesus passa por humilhações, cusparadas, bofetadas, é chicoteado impiedosamente por chicotes romanos que produziam no supliciado, profundos cortes com grande perda de sangue. Só depois de tudo isso que, com palavras é impossível descrever o que Jesus passou por amor a nós, é que Ele foi condenado à morte, pregado numa cruz. O Domingo de Ramos pode ser chamado também de "Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor", nele, a liturgia nos relembra e nos convida a celebrar esses acontecimentos da vida de Jesus que se entregou ao Pai como Vítima Perfeita e sem mancha para nos salvar da escravidão do pecado e da morte. Crer nos acontecimentos da Paixão, Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo, é crer no mistério central da nossa fé, é crer na vida que vence a morte, é vencer o mal, é também ressuscitar com Cristo e, com Ele Vivo e Vitorioso viver eternamente. É proclamar, como nos diz São Paulo: '"Jesus Cristo é o Senhor", para a glória de Deus Pai' (Fl 2, 11).
EM TEMPO: Não foi possível acompanharmos até o final da missa, haja vista, ter acabado a bateria da máquina. Falha nossa...



sábado, 28 de março de 2015

CRÔNICA DA SEMANA: VOCÊ NÃO SABE FAZER UMA PIPA

Doutor Ary Vital com o garoto Mateus Kossmann da Rosa


- Ei, Delegado. Vem aqui.
O menino gritava me dando uma ordem. Era quase uma intimação. Entretanto, pelo sorriso no rosto dele percebi que não era bronca. Pelo menos ainda não era.
- Fala Mateus. Que desespero é esse? Perguntei.
- Você sabe fazer uma pipa? Ele perguntou.
- Em tese...em tese...
- O que é isso? Em tese? Coçando a cabeça, ele me perguntava.
- Acho que sim Mateus. Eu Respondi, mas desta vez quem coçava a cabeça era eu.
- Você não sabe fazer uma pipa.  Ele falou com uma certeza de que eu realmente não sabia fazer uma pipa.
Olhei rapidamente o que tinha na mesa e descrevi o que, aparentemente, era necessário para fazer uma pipa.
- Mateus. Eu sei fazer uma pipa. E faremos uma rapidamente aqui, pegue: papel de seda, plástico para fazer o rabo, fio, cola e tala. Ei, também pegue uma lata para enrolarmos o fio.
- Delegado! Você não sabe fazer uma pipa.
- Por quê? Como sabe? Perguntei.
Ele com um sorriso frouxo, mostrando aqueles dentinhos frontais separados, com as bochechas vermelhas, com um ar de general do mais alto escalão e renome me disse:
- Primeiro: Não é fio. É linha.  Segundo: Não é rabo. É rabada.
Pronto. Fui pego em flagrante. Descobriram que nunca fui um apanhador de pipas, muito menos de fazedor delas.  Ele me ralhou. Disse que todo menino sabe fazer uma pipa. Mas ao mesmo tempo com uma ternura me pegou pelas mãos e foi me ensinar.
- Vou te ensinar. Afirmou Mateus.
E fui me juntar com mais duas crianças que estavam montando uma pipa. Foi o que eles me disseram, mas para mim aquilo era um papagaio, porém, na altura do campeonato eu já não sabia mais de nada, já que a minha época e menino de bola de gude jogada em cima do tapete, eu gostava mesmo de brincar de Atari (vídeo game), juntar toda aquela galera do bairro na sala de casa, ligar a televisão, montar as equipes, cada um com seu controle na mão e começar o jogo. Naquela época queimamos muitos televisores pelas horas de jogo o que levavam a um superaquecimento.

- Delegado. Por favor, pega aí para mim. O inajá?
- O quê? Perguntei.
- A tala. Ele respondeu.
- Hum... Vamos fazer uma pausa para jogar o termo Inajá no google, atualmente nosso pai dos burros.  Então vamos lá: A Wikipédia, a enciclopédia livre, me diz que: Inajá (Maximiliana maripa) é uma palmeira de até 20 metros, nativa do estado do Pará. Possui estipe anelado, com ótimo palmito, folhas dispostas em cinco direções, inflorescências interfoliares, frutos com polpa suculenta, comestível, e amêndoa de que se extrai óleo amarelo, também comestível. Também é conhecida pelos nomes de anaiá, anajá, aritá, inajazeiro, maripá e najá. 2. Nome de uma índia brasileira (origem Tupí). Segundo folclore brasileiro, Inaiá era uma linda índia que reinava nos boques e matas do Brasil como uma representação de Eva, a mulher original, símbolo de graça e inocência, beleza e poesia. Em alguns lugares do nordeste, a palmeira ''Copernicia prunifera'', mais conhecida como Carnaúba ou carnaubeira também é chamada de Inajá.

E como uma passe de mágica aqueles meninos fizeram um papagaio, isto é... uma pipa, aliás...uma rabiola. Sei lá, para mim não tem diferença alguma.

-  Que bonito! Parabéns. Eu disse.

- Aprendeu Delegado? Perguntou Mateus.

Enquanto isso...Rafael e Max concentrados já fazendo outra Pipa e rindo de mim.

- Tem que fazer o peitoral. Dá uma apertada aí, meu.  Falou Rafael.

- Acabou? Perguntei.

- Nada...Disse Mateus.

- O que falta o cerol? Perguntei, pensando que eu estava abafando.
- Delegado, você não sabe que cerol está proibido. A gente não usa cerol. Pode cortar o pescoço de alguém e ferir a gente mesmo.
É verdade...  Tomei uma aula dos meninos mais uma vez, inclusive de conscientização e cidadania. E desde já lembrando que o uso do cerol é proibido expressamente, em alguns municípios do Brasil, por meio de lei municipal que responsabiliza os pais pela prática dos filhos além das demais implicações penais e civis.
- Mas vocês sabem fazer cerol? Perguntei.
Eles silenciaram... Um silêncio Sepulcral, mas tão barulhento. Enquanto isso, mais uma pausa e vamos pesquisar o que é cerol no google. A Wikipédia, a enciclopédia livre, me diz que o cerol tradicional é uma mistura de pó de vidro (normalmente de bulbos de lâmpadas) com cola, porém existem também varias modificações do cerol. Uma delas é substituir o vidro por pó de ferro, que é facilmente adquirido em serralherias. A fusão do ferro pelo maçarico deixa cair no chão um minúsculo pó, que, com o tempo, vai se criando no local uma vasta massa de pó. Esse material é retirado por vendedores de cerol e por pipeiros regularmente fora dos olhos da polícia. Esse material é misturado a cola-de-sapateiro ou cola de madeira. Por causa da presença do ferro, as linhas impregnadas com esta variante de cerol conduzem a eletricidade facilmente. Basta um único contato da linha com os fios de alta tensão para que a pessoa seja eletrocutada. Mesmo sendo mais perigosa, a mistura com pó de ferro é menos utilizada do que a mistura feita com vidro.
- Mateus, o que está faltando para acabar então? Perguntei.
- Colocar a pipa para voar... Ele respondeu.
- Então vumbora. Eu disse.
- Calma Delegado, deixa Secar. Vem de tarde que eu vou te mostrar.
Pois bem, no período da tarde eu fui e lá estava a pipa pronta para voar. Mas, já não me atrevi perguntar mais nada, deixei o menino e sua pipa e fiquei observando ele pegar impulso, correr e colocá-la no ar.

- Parabéns, Mateus. Foi uma aula. Achei minha história desta semana.

E vendo aquela pipa no ar, eu pensei...o seu nascimento passou por todo um processo de criação para estar ali, com várias etapas e cada componente seu, fora escolhido com zelo, atenção, carinho e acima de tudo, criada com o coração cheio de confiança, paciência e fé de um menino, que acreditou que suas escolhas dariam certas e que o objetivo final seria alcançado. A pipa estava pronta para felizmente voar e brincar no céu sob o olhar cuidadoso de seu criador.

Filosofando com meus botões me interroguei e cheguei a uma conclusão que a pipa que criei tal qual aquele menino também já estava pronta para voar.

- Mateus, posso contar esta história nas minhas crônicas? Perguntei.

- Pode. Teu pai deixa? Perguntei.

- Deixa. Coloca logo. Ele disse.

Claro que eu falei com os pais dele e dos outros, certo! Tudo numa boa.


- Escreve aí, delegado, meu nome.

- E qual é garoto? Perguntei.

- Mateus Kossm da Rosa. Ele disse.

- Como é? Perguntei.
-  K-O-S-S-M. É um nome muito difícil doutor.
- Tá certo.
Então amigos, grande abraços para vocês, deixo registrado meus parabéns para você Mateus  Kossm e para Raffael da Rosa e Max Lobo, aprendi muito com vocês neste dia. Meus leitores amados, bom final de semana e aquele abraço de urso.
 COMENTÁRIO NOSSO: Parabéns! Gostei da crônica! Uma brincadeira com uma mensagem. A Pipa, papagaio, pandorga, rabiola, ou seja o nome que você conhece, faz parte da infância, mas deve ser brincada no lugar apropriado e sem o cerol.